Close

Notícias

A Revista Veja conferiu o título de Belo Horizontino Nota Dez a José do Carmo Silva fundador dos Anjos da Dança.

 

A revista Veja – BH, em sua edição de 25 de dezembro de 2013, publicou uma reportagem sobre a Associação Anjos da Dança – ANDA em sua coluna “Belo-Horizontino Nota Dez”.

“O pouco de alegria e entretenimento que ofereço é muito para eles

Uma vez por mês, aos domingos, as mulheres põem sua melhor roupa e se enfeitam com brincos e maquiagem. Os homens retiram do armário o paletó mais alinhado. O garbo é para participar dos bailes da Associação Anjos da Dança (Anda). Fundada pelo advogado José do Carmo Silva, em 1997, a Anda promove festas dançantes em casas de repouso da capital. A associação surgiu quando Carmo teve a ideia de aliar uma de suas paixões, a dança de salão, com a atividade filantrópica. “Fui visitar um asilo e havia um sanfoneiro tocando”, lembra. Ele não teve dúvida: chamou uma senhora para a pista. “De repente, eu estava dançando com cinco idosas e pensei em voltar com meu grupo de dança de salão.” Hoje, a Anda conta com 130 voluntários, que se dividem em grupos para visitar mensalmente catorze asilos. Não é necessário saber riscar o salão para participar da boa ação. O importante é a doação do tempo para fazer companhia aos velhinhos. “A dança é só um pretexto para a gente se aproximar deles”, diz Carmo.

Desde que se envolveu com o universo dos asilos, o advogado depara com uma dura realidade: a do abandono dos idosos pela família. “As instituições particulares são até piores”, lamenta. “Parece que a família paga e ‘lava as mãos’. Acha que não precisa fazer mais nada.” Como o dia do baile sempre é bastante esperado pelos internos, o advogado faz questão de que seja tudo muito especial. A música é sempre ao vivo. Para não correr o risco de não ter banda no dia da festa, a Anda oferece um cachê aos músicos. O repertório conta com hits de ídolos das antigas, como Nelson Gonçalves, Cauby Peixoto, Francisco Alves e Ângela Maria. “Se o músico não conhece determinada canção, ele aprende e toca no baile seguinte para agradar aos idosos”, afirma Carmo, que costuma ser assediado pelas senhoras mais saidinhas. O advogado, que tem namorada, as aconselha a procurar um parceiro no próprio asilo. “Dois casais já se formaram em nossos bailes.” Quando volta para casa depois de mais uma festa dançante, o advogado se sente realizado. “O pouco de alegria e entretenimento que ofereço é muito para eles.”

Essa reportagem está disponível on-line através do site Veja-BH.com.br http://vejabh.com.br/edicoes/belo-horizontino-nota-dez-763712.shtml


Apoio da OAB/MG

Seccional mineira apóia ONG que leva alegria a asilos em Minas Gerais

O presidente Raimundo Cândido Júnior, recebeu em 16 de janeiro de 2008, a visita do advogado e fundador da Associação Anjos da Dança – ANDA, José do Carmo Silva, da diretora do Departamento de Apoio ao Advogado na Capital (DAAC), Maria Aparecida Rossi e da coordenadora do DAAC, Aimar Amine Fogaça. O encontro teve o objetivo de divulgar o trabalho da ONG na Seccional Mineira, ocasião em que recebeu o apoio da OAB/MG nesse trabalho voluntário.


Foi realizado no dia 15 de Novembro a confraternização anual dos voluntários da Associação Anjos da Dança – Anda no CAC Gameleira.

O evento contou com a participação de 150 pessoas, entre elas voluntários, amigos da Associação e também residentes de vários asilos onde o ANDA atua.